A força do óleo essencial de Manjericão

Quem não gosta de Manjericão (ocimum basilicum) fresco em qualquer prato? Além de ser extremamente aromático, ele oferece muitos benefícios  ao corpo, à mente e ao espírito, seja lá como for consumido. Escrevo um pouquinho sobre o óleo essencial a seguir.

Devoção à Tulasi Devi | Zephyrus Tarot
Devoção à Tulasi Devi

Na Índia, a planta é conhecida por Tulasi (pronuncia-se Tulsi). Eu sempre soube da versão em que Tulasi era uma devota de Krishna que assumiu a forma da árvore. No entanto, há textos em que ela é apresentada como uma deusa ligada à terra e consorte de VishnuKrishna é um dos avatares de Vishnu. Também a versão em que tulasi, ainda me referindo à planta, surgiu junto com Lakshmi, a deusa da fartura. Isso ocorreu durante o Samudra Manthan, um evento onde deuses e demônios se uniram para extrair amrita e outros tesouros do oceano de leite. Sendo assim, a tulasi é vista como um presente conectado com o extraordinário.

Tulanaa naasti athaiva tulasi

“Aquilo que é incomparável”, em sânscrito. Para os hindus, o manjericão é uma das ervas mais sagradas. A sua presença em casa afasta tanto os insetos quanto os emissários de Yama, o deus da morte. Onde tulasi não cresce, é um indicativo de que não há espiritualidade ou, mais especificamente, não há devoção à VishnuKrishna. Em todas as oferendas a ele, inclusive, é comum adicionar uma folha ou um ramo para atrair a sua graça. Nos funerais, uma folha é colocada sobre o peito do falecido para que a próxima vida seja abençoada. Nos rituais de casamento, uma guirlanda de tulasi é confeccionada para abençoar o casal.

Entre as suas propriedades curativas, o manjericão era/é utilizado, na Índia, como antídoto para o veneno de cobra. Na Grécia e na África, era/é usado contra o veneno de escorpião.

De volta ao mítico, basilicum parece derivar de basilisco, criatura fantástica descrita como um lagarto gigante com cabeça de galo.  Dizem que o basilisco era capaz de matar com um simples olhar. Mais uma vez credita-se ao manjericão a propriedade de curar qualquer pessoa do veneno deste animal lendário.

Basilisco | Zephyrus Tarot
O basilisco e a doninha, de Wenceslas Hollar

Tarot, ignição e coragem

No Herbal Tarot, o manjericão aparece no 2 de Paus como “reconhecimento do próprio potencial“. Eu tenho comigo algumas associações apenas com os Arcanos Maiores. De verdade, de verdade, não faz nem sentido estabelecer uma relação 1×1 entre Tarot e Óleos Essenciais. Cada carta pode contemplar mais de um OE, de acordo com aquilo que está (ou precisa ser) evidenciado.

Manjericão - Herbal Tarot | Zephyrus Tarot
Herbal Tarot

No caso do manjericão, penso de imediato no Carro (o Herbal Tarot  traz a Tiririca). Ainda lembro da primeira vez que conversei sobre óleos com Gorethi Moura e ela disse que o manjericão é “o óleo do guerreiro”. E se for para antecipar aqui uma de suas propriedades, ele ajuda o indivíduo a desenvolver a ação necessária para sair da estagnação. Faz sentido, não?

Ok, mas o basilicum latino está intimamente ligado ao basileus grego, que significa “rei”. Em alguns aspectos, podemos, então, falar do manjericão no Imperador (autoridade) ou mesmo na Roda da Fortuna (movimento). Tenha, no entanto, a imagem do Carro em mente como um referência de destaque.

A busca por correlações não é nova e há diferentes tabelas em diferentes livros. Mary K. Greer, em The Essence of Magic, atribui o óleo essencial de manjericão ao Julgamento e ao Rei de Ouros. Ela destaca que o manjericão é a planta dos paradoxos: amor e ódio, sagrado e demoníaco, antídoto e veneno. Da mesma forma que o Arcano XX desperta a habilidade de transcender limitações, o manjericão atua clareando a mente para a percepção do propósito de cada um. Nada é dito com relação ao Rei de Ouros.

O óleo essencial de manjericão e as emoções

O primeiro livro que li sobre óleos essenciais foi Aromaterapia e as Emoções, de Shirley Price. Tem bastante tempo isso e não pensava seriamente (nem pensava) sobre o assunto. Tinha um projeto de marketing envolvendo incensos e não queria descrever os aromas de forma leviana.

Price agrupa as emoções em categorias, sugerindo (e justificando) óleos para cada uma delas. O manjericão aparece em várias. Ele está nos grupos do sofrimento, da raiva, do medo, do ciúmes, da confusão, da timidez, da divagação e do retraimento.

Ela cita John Gerard (todo mundo repete esta frase, por sinal), que afirma que o manjericão “manda embora a tristeza e a melancolia, tornando o homem feliz e contente”.

Ocimum sanctum L. | Zehyrus Tarot
Ocimum sanctum L., o Manjericão Indiano

É interessante que, especificamente com relação ao medo, o manjericão diminui a aceleração dos batimentos cardíacos, clareia a mente, dissipa as dúvidas, revitaliza o sistema digestivo e restaura a mobilidade. É como se realinhasse o indivíduo e o colocasse em condições para o bom combate.

Kathi Keville e Mindy Green, autoras de Aromatherapy: A Complete Guide to the Healing Art, apostam neste óleo para eliminar os pensamentos negativos e aumentar a autoconfiança. Isso me lembra o conceito de ‘venenos da mente’ da tradição budista e o histórico do manjericão como antídoto de cobras e escorpiões.

O judeu diz que o veneno da cobra é quente, enquanto o veneno do escorpião é frio. Há diferentes ensinamentos baseados nisso. Em várias passagens da Torá os dois animais são colocados lado a lado. Durante a travessia no deserto, a Nuvem de Glória que cobria o acampamento, por exemplo, impedia a presença deles. Quando Aaron morreu e a nuvem se desfez, a coisa ficou feia e aumentaram as discórdias internas. Em um desses ensinamentos, evitar cobras e escorpiões funciona como metáfora para evitar a raiva (que é quente) e a indiferença (que é fria). Vale voltar ao budismo e lembrar a recomendação de sempre evitar os extremos.

A Personalidade do manjericão

Valerie Ann Worwood é autora de um bom número de livros de aromaterapia. Gosto muito do The Fragrant Mind, que apresenta alguns óleos essenciais como personalidades. O manjericão ela descreve como sendo o óleo dos empreendedores, daqueles capazes de ver o que ninguém mais percebe ou sequer sabe que existe.

Por que gosto tanto deste óleo? Porque ele por vezes funciona como uma intervenção espiritual em um momento de crise. O manjericão desperta em nós uma sabedoria que aponta para onde devemos ir e nos ajuda a percorrer este caminho, nem sempre fácil, com determinação e integridade. De modo geral, a personalidade-manjericão é direta e contundente. Não tem o interesse em machucar ninguém, mas não tente obstruir o seu caminho. #ficadica

Worwood ainda fala de gênios incompreendidos, como artistas excêntricos, poetas loucos e escritores sacrificados, mas não tenho nada a dizer quanto a isso. Geralmente penso no manjericão quando as pessoas se veem mentalmente encurraladas, precisando tomar decisões importantes. É comum, nestes casos, nem saber o que fazer e pode ser que o manjericão entre como um poderoso aliado por todos os motivos que listei antes.

Óleos essenciais são usados na pele muito bem diluídos em óleos vegetais ou cremes neutros. O manjericão combina bem óleos cítricos, especialmente a bergamota. Mas não só estes. Num ambiente, manjericão com tangerina no aromatizados faz circular a energia estagnada e traz alegria. É uma boa dica para estes dias frios em que a casa da gente fica com as janelas fechadas por mais tempo. Para outras aplicações ligadas à saúde, há farto material na internet. Não deixe de consultar.

 

Alerta | Zephyrus TarotO óleo essencial de manjericão não deve ser usado por mulheres grávidas ou que apresentam  sangramento menstrual excessivo. Pode também não ser adequado para pessoas com pele sensível e que sofrem de doenças do fígado. O uso prolongado ou excessivo é contraindicado.

 

Posts Relacionados:

About Marcelo Bueno 86 Articles
Marcelo Bueno é cartomante com especialização no Tarot. Além de editor do Zephyrus Tarot, promove cursos, workshops e atendimentos com este oráculo.