Cartomancia 2016: Previsões para a Vida Material

Cartomancia 2016

Estava conferindo aqui e eu não escrevi nada sobre o Cartomancia no ano passado. Para quem ainda não ouviu falar, o evento é produzido pela Presságio Editora e está na sua segunda edição. O Objetivo é reunir estudantes e profissionais em torno de um único tema por edição para explorar diferentes ângulos simbólicos, divinatórios e éticos, além de trazer novos insights – o famoso “pensar fora da caixa”.

Em 2015, grandes nomes falaram de amor sob as bênçãos de Santo Antônio (o encontro aconteceu no dia do santo casamenteiro, 13 de junho). Para o Cartomancia 2016 foi selecionado o segundo tema de maior relevância em consultas: previsões para a vida material. Sri Ganesha, o deus indiano da sabedoria, dos novos empreendimentos e da prosperidade foi escolhido como patrono.

Eu ajudei na comunicação da primeira edição e repeti a parceria na segunda, à convite da Priscilla Lhacer. Dentre as coisas que considero bem legais na base do projeto, destaco:

  1. Preocupação em diversificar, mesclando baralhos que todos conhecem (Tarot e Lenormand, basicamente) com novidades de comprovado valor em leituras divinatórias;
  2. Criação de um ambiente acolhedor com grandes mesas redondas que dinamizam a interação entre os presentes e brindes de boas-vindas. Para quem achou que nem veio tanta coisa assim este ano, a gráfica atrasou e só entregou algumas peças na segunda pós-evento; :(
  3. O compromisso com um trabalho social – pelo segundo ano o Cartomancia apoiou a Organização de Auxílio Fraterno. Como existe uma área para estandes, um deles foi cedido para a OAF angariar fundos. Donativos também foram recolhidos através das ofertas feitas no altar para Ganesha no hall de entrada.

Cartomancia 2016: Previsões Para a Vida Material

Vida material é um tema bem amplo. A instabilidade do nosso atual cenário político e econômico tem deixado as questões do coração um pouco de lado. Muitos estão desempregados sem saber quando surgirá uma nova oportunidade. Outros tantos estão insatisfeitos com o emprego atual, mas sem saber se é oportuno trocar o certo pelo duvidoso. Os dilemas profissionais, claro, também passam por promoções, reformulações estruturais e as tradicionais armadilhas de convivência do mundo corporativo.

Se você não é empregado, mas empregador ou autônomo, surgem dúvidas, como: o que se pode esperar? Como me precaver? A hora é boa? O mesmo vale para qualquer projeto de vida que exija um investimento arrojado.

Seja qual for a questão ou oráculo, o papel de quem o interpreta é orientar o consulente sobre a melhor forma de conduzir a questão, potencializando as vantagens e minimizando as ameaças.

O Cartomancia 2015 foi todo gravado e pode ser visto aqui. O Cartomancia 2016 também foi gravado e terá os vídeos para venda em breve – bom para quem mora longe e ficou com vontade  ou estava perto, mas perdeu o bonde ou deseja rever.

Uma pessoa muito sem noção (prefiro pensar que foi burra ao invés de mal-intencionada) soltou a tomada da câmera (talvez para carregar o celular). Em função disso a palestra de Robert Place foi registrada apenas em áudio e será sincronizada com os slides.

O fato é que vou compartilhar aqui o que vi sem entrar em detalhes, pois seria um desrespeito com quem prestigiou o evento. O objetivo é deixar um registro e estimular quem lê a conferir os vídeos e apostar nas próximas edições do evento.

Bloco da manhã

O Cartomancia 2016 começou com uma oficina, como no ano anterior. Nívia Peggion foi chamada para ensinar aos presentes como montar um talismã para a prosperidade fazendo uso de cartas de Tarot.

Talismã | Cartomancia 2016
Transformando Arcanos em Ouro

Cada participante foi recebido com uma reprodução em polietileno da carta do Louco do Alchemical Tarot sobre a mesa, em frente à sua cadeira. Foi revelado depois que uma segunda carta estava escondida debaixo dela. A mão do destino já definindo o rumo das coisas.

Nivia começou explicando a diferença entre amuleto e talismã e seguiu com a parte prática da oficina. Posso dizer que não foi apenas um momento agradável porque a Nivia sabe como conduzir as coisas: algo realmente de especial aconteceu no sábado, com cada um refletindo sobre o arcano que surgiu como chave da prosperidade (imagine que alguns saíram com Pendurado, Torre ou Lua, por exemplo) para depois colocar estas energias em ação. O Tarot se presta à magia? Claro. E uma prática como esta está longe de ser uma brincadeira de faz de conta. Se você esteve presente, pode deixar a sua opinião.

Priscilla abriu oficialmente o evento às 10h e João Acuio, de Curitiba, fez a primeira palestra. João é autor da frase que se repetiu muitas vezes durante o Cartomancia 2016 e mesmo nos dias seguintes: “a sorte se faz em rede”. Algo simples e absolutamente verdadeiro. “A sua sorte é a minha, a minha sorte é a sua” – completa.

Ele é o criador do  Tarot Furtado, que consiste em uma reprodução dos arcanos maiores do Tarot de Jean-Pierre Payen (1713), editado com alguns elementos a menos, como o livro da Papisa, a manivela da Roda da Fortuna e as crianças da carta do Sol, por exemplo. Estes objetos furtados (e o que representam) são devolvidos na primeira posição do método que ele sugere.

Sim, o Tarot Furtado é carta e método. Com três posições você determina aquilo que é restaurado, quem furtou (o ladrão) e qual o desejo do consulente. Vale a pena experimentar porque as revelações são bem interessantes – dou testemunho disso. Não é um baralho para toda consulta, é bom que se diga. Acuio chegou a dar algumas dicas sobre isso e também falou que não se cobra por uma leitura com ele, ainda que o consulente esteja livre para retribuir pelaa oportunidade, se assim desejar.

Eu tenho o Furtado há pouco tempo e acho que Gilda escolhe para quem devo ler. Já aconteceu de sair de casa para atender e voltar na porta para pegá-lo. Também de sentir, perto do fim de uma consulta online, que ele bem vindo. As pessoas são escolhidas a dedo e valorizam muito a oferta inusitada. Mas quem é Gilda? Entre outras particularidades, o Tarot Furtado é dedicado à Maria Conceição Bueno, santa popular de Curitiba, e à Gilda, travesti da Boca Maldita (também de Curitiba) que ficou famosa, entre outras coisas, por beijar (ou, ao menos, tentar) quem não lhe desse um trocado na rua.

Fora a apresentação do Furtado em si, com direito a exemplos, João emocionou todo mundo ao fechar a sua participação com o vídeo de uma performance que realizou na rua.  Pegue um lenço e assista você também:

10x10

Antes do almoço, ainda ouvimos a estreia de Jamile Pinheiro. Foi a primeira vez que a paulista, residente em Brasília, falava da Sibila Italiana em público. Sim, o Cartomancia traz gente de todo lugar, se preciso for. Ela desempenhou seu papel muito bem e aguçou ainda mais o interesse das pessoas por este oráculo, que anda atraindo a atenção de muitos, mas ainda carece de bons textos em português (compilações não contam) ou instrutores realmente experientes para passar algo adiante.

Além de apresentar alguns dados históricos para entender o oráculo em seu contexto inicial, Jamile abordou a evolução de alguns conceitos/símbolos da Sibila Italiana para os nossos dias. Importante também foi comparar a mensagem de lâminas para  mesmo assunto. Uma das questões foi ‘investimento’, com o diagnóstico e aconselhamento de 4 cartas diferentes.

Bloco da Tarde

O retorno do almoço trouxe o Lenormand. Em 2015 o Cartomancia quis explorar os três grupos do Tarot: Arcanos Maiores (com Leonardo Chioda e Zoe de Camaris), Cartas Numeradas (Nei Naiff) e Arcanos da Corte (Marcelo Bueno). Isso tomou três dos seis blocos – e pareceu necessário que fosse assim. Com a palestra do Alexey Dodsworth Magnavita sobre as Seis Formas de Amar (fundamental!) e outra apresentação de como conduzir as consultas afetivas, com Andrea Souza e Kelma Mazziero, o Lenormand entrou como atividade prática – você confere tudo aqui.

Para o Cartomancia 2016, o Petit Lenormand teve o seu devido destaque com s apresentações de Patrícia Farias e Emanuel Santos. Os dois mostraram como os temas riqueza, prosperidade, sorte, solução e sucesso podem indicar, dentro do método conhecido por Mesa Real, a situação de fortuna ou desfortuna do cliente. Patrícia também trouxe alguns exemplos de leituras com três cartas onde a ordem das mesmas altera a mensagem. A frase parece óbvia, mas as disposições às vezes guardam pegadinhas.

Mão na massa

Por que tem um subtítulo aqui? Porque é a minha parte, oras. :)

Eu palestrei no Cartomancia 2015 sobre a forma de amar de cada Figura da Corte (você assiste aqui) e voltei agora para promover a parte prática do Cartomancia 2016. Trouxe para a ocasião dois métodos, mas só utilizei um (o segundo será apresentado na Oficina de Tarot do dia 6 de julho, no Rio de Janeiro).

Cartomancia 2016 | Marcelo Bueno
Auxiliando nas interpretações de Zoe de Camaris, João Acuio, Nivia Peggion e Michele Sullan

Aproveitando o tema Vida Material, transformei uma clássica ferramenta de planejamento estratégico em um jogo de cartas. Falo muito (e repeti no Cartomancia) que método é qualquer coisa que você estabeleça, sem a necessidade de recorrer exclusivamente a esquemas prontos que alguém publicou antes. Também que jogos podem sair de coisas que a gente vê em outros lugares sem qualquer propósito oracular, como é o caso, e adapta.

A estrutura foi explicada em sua lógica – e não apenas descrevendo o atributo de cada casa – para ser exemplificada, na sequência, com perguntas reais e fictícias usando o Alchemical Tarot, o Burning Serpent Oracle (que é um Lenormand criado por Robert Place e Rachel Pollach) e a Sibila Italiana.

Propondo aos presentes que formassem duplas e testassem, fui de mesa em mesa tirando dúvidas e fazendo interpretações. O retorno pareceu bem bacana e espero que as pessoas utilizem. Teve gente com perguntas abertas sobre prosperidade e coisas pontuais, como a situação de um projeto em andamento.

Principalmente quando se conversa com quem também entende do assunto, é muito bom quando a pessoa se reconhece no jogo – outro cartomante é muito mais crítico com o que você diz do que um cliente leigo. Eu mesmo criei o método especialmente para o evento e tenho aplicado, desde então, em alguns atendimentos com bons resultados.

Robert Place, nosso convidado internacional

Acho que ninguém sabe, mas já era da vontade da Priscilla trazer o Robert Place em 2015, mas não rolou agenda na época. Digo para ela que o Cartomancia 2016 só aconteceu para que este desejo se concretizasse – e que bom que houve essa oportunidade.

Robert acompanhou todas as palestras com o auxílio de tradutores (alguns voluntários) que se revezaram para lhe dar entendimento do que acontecia. Não foi um pedido feito a ele, mas uma clara demonstração de respeito a todos, mesmo que a barreira do idioma fosse uma excelente desculpa para só aparecer quando fosse a sua vez. Thank you, sir.

Durante o exercício do meu bloco, que foi seguido de um coffee-break, ele ficou à disposição para autografar livros e baralhos, mas surpreendeu a todos quando, logo no primeiro, tirou as cartas da caixa e pediu para que a pessoa embaralhasse. Yeah, cada um que comprou um baralho, ganhou autógrafo E leitura. Eu assisti algumas e vi expressões perplexas de como três cartas podiam ser tão profundas. Cada um recebeu a mensagem que precisava ouvir (não foi formulada uma pergunta especial) e não rolou nada de trivial nas mensagens. Não era um Mago falando para entreter ou ser simpático, mas um Papa verdadeiramente aconselhando com sabedoria.

Rober Place | Cartomancia 2016
Autógrafo com leituras – Robert Place, Priscilla Lhacer e Elizabeth Nakata

Robert encaminhou previamente duas apresentações que foram formatadas para o template do evento, mas começou com uma terceira, que fazia considerações históricas consistentes. Gostei de ouvir que é muito claro que o Tarot não surgiu de ordens místicas ou civilizações obscuras para perpetuar algum segredo, mas de artistas que registraram a sua época – Jamile falou algo semelhante sobre a Sibila.

Legal revisitar as primeiras representações, ver de onde elas saíram e descobrir (ou relembrar) que o cão não está brincando com o Louco, mas botando ele para correr – cachorros eram treinados para afugentar os estranhos à cidade.

Então a primeira parte foi A Origem do Tarot e, em seguida, tivemos O Simbolismo dos Trunfos do Tarot, onde começamos explorando melhor o conceito de trionfi.

“I Trionfi” (Os Triunfos) é um trabalho importante do poeta italiano Francesco Petrarca que mescla elementos pagãos e cristãos da cultura medieval e inspirou muitos artistas com diferentes reproduções gráficas. A obra é dividida em seis partes: “Triunfo do Amor”, “Triunfo da Castidade”, “Triunfo da Morte”, “Triunfo da Fama”, “Triunfo do Tempo” e “Triunfo da Eternidade”. Vários arcanos desfilam entre outras alegorias igualmente importantes.

Robert Place | Cartomancia 2016
Tarot, História, Simbolismo e Adivinhação

Robert Place voltou no domingo para a master class Tarot e Alquimia. Lembrei muito do livro da Irene Gad, “Tarot and Individuation: Correspondences with Cabala and Alchemy”, onde estudei esta associação pela primeira vez.

Robert Place | Cartomancia 2016
Master Class Tarot e Alquimia

O grande “wow!” surgiu quando ele se deparou com a ilustração da obra Harmonie Mystique, de 1636, e reconheceu nela a imagem do Mundo, passando a explorar outras similaridades depois disso. Surgia o Alchemical Tarot, agora na sua quarta edição.

Depois de viajar conosco pela Opus Magnum e suas fases nigredoalbedocitrinitasrubedo, Place revelou os segredos de sua técnica de leitura, onde trabalha sempre com três cartas em cada posição construindo uma única imagem onde repara, por exemplo, a direção que as figuras humanas ou objetos assumem para construir uma história.

Ele fala deste modelo em seus livros, mas é outra coisa receber uma explicação assim. As mesas foram convidadas a nomear um consulente e um intérprete para realizar uma tiragem e ele fez as devidas correções ou acrescentou detalhes com todos os participantes se deslocando de mesa em mesa para acompanhar.

Para encerrar, apresentou e fez uma leitura do método que utiliza para relacionamentos, fechando o final de semana com chave de ouro.

Robert Place | Cartomancia 2016
Robert Place no encerramento da master class Tarot e Alquimia

Eu vejo o Cartomancia como fundamental para o desenvolvimento de um discurso oracular coletivo que deseja sair do arroz com feijão – coletivo, sim, porque “a sorte se faz em rede”, lembra?. Para quem realiza, é um baita desafio. Quando peço palmas para a Priscilla no evento, sei exatamente do que estou falando. Fica o meu desejo que um número cada vez maior de pessoas reconheça o valor desta proposta e participe das próximas edições.

Até 2017!

PS: O Leo Chioda escreveu um ótimo ensaio baseado nesta master class, você confere aqui.

Posts Relacionados:

About Marcelo Bueno 86 Articles
Marcelo Bueno é cartomante com especialização no Tarot. Além de editor do Zephyrus Tarot, promove cursos, workshops e atendimentos com este oráculo.