Você está REALMENTE pronto para o atendimento?

Atendimento | Hanson-Roberts Tarot
Hanson-Roberts Tarot

Sempre gostei de fotografia, mas só recentemente comprei um equipamento semi-profissional. Investi em um curso e me divirto com alguns amigos, tirando fotos ruins em lugares legais. No último domingo fui ao Parque Laje, no Rio de Janeiro. Me assustou ver a enorme quantidade de ‘profissionais’ tirando fotos de casais, crianças e mulheres grávidas.

De uma hora para outra, todo mundo resolveu ser fotógrafo. Dia desses, li uma nota a respeito da noiva que processava o fotógrafo contratado pela péssima qualidade. No registro do ‘momento mais importante de sua vida’ várias fotos tremidas, fora de foco, escuras, com enquadramentos errados etc.

Assistindo a um vídeo no YouTube, ouvi o sensato conselho: “não compre um equipamento fotográfico pensando em fazer disso um negócio. Compre por prazer, tire muitas fotos, erre bastante. Em algum momento, talvez as pessoas digam o quanto você é bom, o quanto ‘leva o jeito para a coisa’. E daí, quem sabe, seja um momento para pensar se vale a pena fazer disso um ofício”.

Muito bem. Eu sou tarólogo. Este é um blog sobre Tarot. Muito provavelmente você sabe o rumo dessa conversa e é isso mesmo. Não vou escrever por uma questão filosófica porque sou chato com os meus princípios ou porque estou defendendo o mercado dos ‘oportunistas’.

O ponto é que a pessoa vem à consulta com um sofrimento e cabe a você ajudar. Foi uma escolha sua fazer isso. Vejo muita gente ingressando no “mercado oracular” porque “ler cartas é algo simples” e pode garantir uma boa receita. Não, não é. Não, não garante. Decorar o significado das cartas pode ser simples; interpretá-las dentro de um contexto real, nem sempre.

Minha própria experiência em um atendimento

Hoje eu procurei uma pessoa para me consultar. 40 minutos depois eu não aguentava em mim de tanta irritação.

Primeiro, não existe isso de deitar as cartas e pedir 10 min para fazer algumas anotações. Não, nunca, em momento algum. Simples assim.

Mas vamos considerar que eu esteja sendo muito exigente. As cartas que correspondiam ao meu presente e a meu passado não tinham nada a ver comigo. Foram frases soltas, genéricas, que não refletiam o que eu sei e nem com esforço poderiam se encaixar com o que desconheço. A pessoa em momento algum perguntou se o que ela falava fazia sentido.

Quando ela ameaça falar do futuro, informo que nada do que foi dito até o momento estava certo. Para ajudar, adianto o que me traz à consulta. Ela não consegue ir além do que já disse. Também não desfaz o jogo para abordar a questão através de outro método, talvez. Já fiz isso umas duas vezes com o Tabuleiro porque a pessoa estava ansiosa para ir ao ponto.

DevianArt | Atendimento
DevianArt ~zephyrus

Como se nada tivesse acontecido, ela seguiu falando do futuro, agora se apropriando das informações que passei. Sem muita convicção,  começa as frases com “quem sabe isso”, “quem sabe aquilo”…

Ninguém paga para ouvir “quem sabe”. Não quer se comprometer, diga que o jogo “aponta uma tendência”, mas mostre que você acredita no que está dizendo. O passado que era bom, depois do que eu disse ela argumentou que “tentava ter uma visão positiva das coisas”.

Interrompi a consulta e disse que nada do que foi apresentado até aquele momento me serviu de orientação. Ela defende que só pode dizer o que as cartas têm para falar. Diz não entender quais eram as  minhas expectativas com relação ao jogo. Em outras palavras, o problema era comigo.

Peço desculpas e conto que sou tarólogo, logo sei exatamente o que se espera de uma consulta. Ela volta a falar dos atributos das cartas como se estivesse acrescentando algo – não estava. Faz comentários pessoais com dicas óbvias do que devo fazer. Quando percebe que não está melhorando em nada a situação, pergunta se não quero falar sobre o amor. Tinha informado 1 segundo antes que o atendimento para mim estava encerrado. Respondo que não e mesmo assim ela faz algumas promessas de encontrar alguém, blá-blá-blá.

Eu, no lugar dela, devolveria o dinheiro. Era o mínimo a ser feito. Mas a única coisa que lhe ocorreu foi oferecer um jogo “gratuito” um mês depois. Entrei no serviço de cobrança negando  pagamento.

Reflita seriamente: você está pronto para o atendimento?

Este tema nem é novo. Falei disso em outro post, quando perguntei quanto tempo até estar pronto para atender.

Eu não acho que fui brilhante em toda consulta que dei. De qualquer modo, fico atento se estou fazendo direito o meu trabalho. Não botei a minha cara na janela até ter certeza se poderia fazer isso com competência. As cartas apontam problemas e soluções. Às vezes não há nada de bom para se dizer. Ainda assim, é impossível não extrair um conselho concreto. Pode ser que a resposta esteja em outro caminho. Também recomendando recuar porque nada está nas suas mãos. “Poxa, mas este conselho é péssimo”. Não, não é. Melhor se poupar agora do que gastar energia sem resultado achando que pode mudar a situação.

Sim, as cartas possuem diferentes significados. Se falo uma coisa que o consulente discorda, volto para elas e busco outras abordagens para os mesmos símbolos. Várias vezes pergunto se o que estou falando faz sentido. Uma relação de confiança só se estabelece se o consulente tem certeza que você está falando dele.

Talvez você não esteja colocando uma vida em risco, como um médico que toma uma decisão errada. Talvez ache que não tem nada de grave confirmar que o marido tem uma amante. Em alguns lugares no mundo,  a atividade oracular é tratada como “entretenimento”. Não queira, com isso, achar que o consulente procura um passatempo, uma diversão.

Lamento informar mas, até onde entendo, as coisas não são bem assim. Se você não está pronto, não inventa. Frases subjetivas e promessas vagas só enganam os trouxas. Se a sua única motivação é ganhar dinheiro, considere outras alternativas. Se você acha que o atendimento com o Tarot consiste em ‘ler cartinhas’, você ainda não aprendeu nada com o oráculo.

Posts Relacionados:

About Marcelo Bueno 87 Articles
Marcelo Bueno é cartomante com especialização no Tarot. Além de editor do Zephyrus Tarot, promove cursos, workshops e atendimentos com este oráculo.