Sibila Italiana – Naipe de Ouros


Organizei a sequência de cartas a exemplo do que vi em alguns sites que interpretam o La Vera Sibilla. Coloquei apenas Espadas antes de Ouros por hábito do Tarot e o modelo de evolução do Mebes. Onde a referência é o Zingara Della Sibilla, a ordem é estabelecida de diferentes formas e a partir de critérios indecifráveis, por conta de não existir uma ‘numeração oficial’ ou algo que o valha.  {imagem: Cartomancie Gypsy Fortune}

Aqui, como no Petit Lenormand, surge uma polêmica que é velha conhecida de todos nós: existe alguma relação entre a imagem principal e a ‘carta de cassino’ a ela associada? Em apenas um lugar a autora dá atributos destacados, mas as duas definições ora não encaixam, ora encaixam mal, logo, não me convenceram como uma estrutura sistêmica consistente. Este assunto fica pendente por mais um tempo.

Ainda sobre os naipes, tentei ver uma unidade entre as cartas de cada grupo com o que a gente espera de Paus, Copas, Espadas e Ouros.  Espadas reúne o maior número de cartas ‘desafiadoras’, tudo bem, mas, ainda assim, temos O Sacerdote, que fica meio ‘estranho no ninho’. Dinheiro em Copas, Reunião em Paus e O Delirante em Ouros são outros exemplos aleatórios que destaco aqui rapidamente sem maiores análises.

Algumas pessoas perguntam (li nos fóruns) sobre os números que aparecem na margem de alguns baralhos, como no La Vera Sibilla e no Cartomancie Gypsy Fortune, e a melhor resposta, até agora (para quem crê), é que são previsões de loteria. Qualquer dia experimento. Vai que… ;)

Vamos lá.

Aposento (Stanza) — Ás de Ouros

Stanza é traduzido como “Quarto” ou “Aposento”, que poderia ser qualquer um da casa que o consulente tenha para si como espaço íntimo e reservado – o seu local de refúgio. Os textos em inglês utilizam Room, o que incluiria “Sala”, mas eu não concordo porque sala é uma área comum (de circulação) em qualquer residência.

Nas ilustrações não vemos uma cama, mas mesa e cadeira. No La Vera Sibilla, temos ainda um tinteiro sobre a mesa, de modo a reforçar que se trate de um escritório da casa – ou uma parte do quarto dedicada ao trabalho e/ou ao estudo.

Li alguns conceitos sobre laços de família, intimidade do casal (“coisas de quarto”) e boas notícias que chegam (não sei de onde tiraram isso) como temas principais, mas, sinceramente, descarto todas.

O Aposento tem uma leitura interna e outra externa. A interna, refere-se exatamente ao que há de mais íntimo e/ou o que tem significado especial apenas para o consulente. Aquilo que ele não compartilha com ninguém ou é para um número minimamente seleto de pessoas. Um segredo, talvez. A necessidade de fazer uma pausa e ‘visitar a si mesmo’. Este mundo interno estará ordenado ou de ponta-cabeça dependendo das cartas que complementam o jogo.

O La Vera Sibilla traz uma ou duas palavras-chaves no rodapé de suas lâminas e, no caso do Stanza, encontramos Prossima Novella (“Próxima História”), o que, reunindo o que escrevi anteriormente, resulta em uma reflexão do que se deseja para o futuro. Projetos, ambições… Se o consulente pudesse escrever o que vai acontecer em sua vida, o que contaria? O importante é elaborar seus sonhos mais íntimos, ainda que contrarie todo mundo, e não o que esperam dele. Feito isso, quais seriam os próximos passos para tornar isso realidade?

Na abordagem externa, a carta pede reserva e privacidade. Fala daquilo que não é para o conhecimento de outras pessoas. Pode sinalizar reuniões, entrevistas e conversas que exigem o sigilo absoluto e confiança total entre as partes.

Em um contexto afetivo de um casal já formado, vejo a possibilidade de cada um estar vivendo no seu próprio mundo ou necessitando falar menos de suas vidas para outras pessoas. Talvez precisem  de um tempo a dois, sem a interferência de outras pessoas ou longe das responsabilidades do dia a dia, incluindo filhos. Outra leitura seria justamente a  cumplicidade que existe entre os dois ou sobre a ausência dela – neste caso, prejudicando a relação.

A Carta (La Lettera) — 2 de Ouros

O significado é bem simples e, hoje, ampliado para toda a forma de comunicação disponível. A lâmina fala de notícias que chegam, convites e mensagens pessoais. A leitura simbólica é sempre importante: a carta é direcionada para o consulente, logo, é preferencialmente pessoal. Pode ser uma informação pela qual ele estava esperando ou algo que chega de surpresa e serve de estopim para algum evento importante. Se a notícia é boa a ruim dependerá de outras lâminas na complementação da leitura.

Considere também a possibilidade da Carta representar um documento ou contrato.

Presente de Pedras Preciosas (Dono di Pietre Preziose) — 3 de Ouros

No La Vera Sibilla, o Ommagio di Preziosi (outro nome dado à carta) está na posição 8. No Sibilla Della Zingara e no Everyday Oracle, ocupa a posição 3. Como estou usando o Zingara para ilustrar os posts e tenho o Everyday para praticar, vou seguir esta sequência.

Refere-se a algo que o consulente ganha, um presente, uma herança. Chega a ele por generosidade, recompensa ou retribuição. Pode representar a realização de um desejo.

O ‘presente’ precisa ser visto de forma ampla: é algo precioso, mas não necessariamente tangível, como  uma dica, uma palavra amiga ou oportunidade que proporciona melhoria de vida.  É uma carta benéfica em todas as áreas.

Em tempos antigos, seria o dote de casamento, dentro do contexto adequado – para quem não sabe do que se trata, dote era uma quantia de bens e dinheiro oferecida a um noivo pela família da noiva. Em função disso, cabe, mesmo em nossos dias, interpretar a carta com  um compromisso de casamento (casamento, não namoro) ou mesmo o que as partes (sim, as duas partes) têm a oferecer (de forma mais substancial do que monetária) para o sucesso da relação.

Em uma posição negativa, propina/suborno. Ainda pensando no dote, algumas famílias iam à falência para cumprir este protocolo, então fica a possibilidade de uma condição em que se dá o que não tem ou mais do que pode.

Falsidade (Falsità) — 4 de Ouros

Antes de mais nada,  meu repúdio em se adotar um gato como símbolo de falsidade. :)

Seguindo as referências do oráculo, a carta anuncia o que o nome sugere: situações e pessoas que passam a ideia de serem favoráveis/confiáveis mas não são. O tipos humanos são ambíguos, mentirosos, aduladores, escorregadios e imprevisíveis; sorriem na frente e apunhalam nas costas. Cuidados com fraudes. Os projetos, de modo geral, sofrem atrasos.

Talvez o grande ponto a ser analisado é se o consulente está sendo enganado ou está se iludindo ‘voluntariamente’ com uma pessoa ou situação – todas as evidências estão presentes, mas ele não quer ver. E, se for o caso, por que faz isso?

Melancolia (Malinconia) — 5 de Ouros

Já passamos pela carta do Pesar (Dispiacere), no naipe de Espadas, onde se fala de tristeza por perda, sentimento de derrota e notícias ruins, de modo geral. Comentei até que ele poderia variar do mero desapontamento à depressão, conforme o contexto e as cartas envolvidas. O que difere o Pesar da Melancolia?

Tive dificuldades em encontrar a resposta nas fontes de consulta, que parecem falar da mesma coisa. No La Vera Sibilla, encontramos Felicità Perduta (“Felicidade Perdida”) como palavra-chave de Malinconia, enquanto complementa Dispiacere  com a frase Per una cattiva notizia (“Por uma má notícia”), o que é uma boa referência.

Em linhas gerais, a melancolia é classificada como um caso extremo da depressão, onde a tristeza e a apatia se estendem por mais tempo do que seria natural em uma perda/luto, sendo que, por vezes, nem se sabe pelo que se está sofrendo (ou seja, não há uma causa definida).

A carta indica, possivelmente, abatimento físico com perda significativa de peso, falta de prazer e desânimo mesmo em atividades que deveriam proporcionar um estímulo positivo, sentimento de culpa constante e inapropriado. Falta brilho na vida.

Vale sempre lembrar que cartomante é cartomante, psicólogo é psicólogo. A carta sinaliza um estado de espírito que é causa ou efeito de outras cartas e justificam (ou previnem de) alguns acontecimentos. Diagnósticos clínicos e tratamentos adequados competem a profissionais da saúde.

O Pensador (Il Pensiero) — 6 de Ouros

Como a imagem sugere, o Pensador é um filósofo, mas também podemos considerar a sua posição como a de um pesquisador ou alguém que se debruça na análise meticulosa de um problema em busca de solução.

Para diferenciá-lo do Letterato, considere que este é mais ligado às ciências humanas, enquanto o Il Pensiero é mais fascinado pelas engenhosidade e metodologias das ciências exatas. Das suas reflexões surge uma nova ideia ou uma perspectiva até então não explorada por outras pessoas, trazendo novos insights ao assunto.

A carta pode identificar tanto uma pessoa do relacionamento do consulente com estas características quanto sugerir que o consulente adote esta postura (de concentração/foco) diante de uma situação importante. Como em outros casos, o Pensador às vezes desempenha o papel de conselheiro.

O alerta surge quando a carta, em uma posição desfavorável, informa que o consulente está demasiadamente absorto em seus pensamentos (seus problemas), de modo a perder o contato com outros aspectos da sua vida. Além de prejudicial para a qualidade da sua saúde, do seu trabalho e das suas relações, não ‘arejar’ acaba limitando até mesmo a capacidade de resolução da questão que o aflige.

No Cartomancie Gypsy Fortune, por exemplo, a carta é ilustrada por um homem comum em busca de inspiração e o foco não está no pensador, mas nos seus pensamentos.

Criança (Bambino) — 7 de Ouros

A figura de uma criança está presente em diferentes oráculos com o mesmo significado. Ela representa novos projetos, novas ideias, começos, ingenuidade, criatividade, vulnerabilidade e, literalmente, uma criança que já se faz presente ou está à caminho. Os processos, de modo geral, ainda estão em fase embrionária e necessitam de atenção para que possam se desenvolver e ganhar autonomia.

Empregada Doméstica (Donna di Servizio) — 8 de Ouros

Sibilla Della Zingara temos 8 e no La Vera Sibilla temos 3, conforme explicado anteriormente. As cartas não diferem apenas na numeração, mas na imagem também.

Outra coisa que chama a atenção é que, no La Vera Sibilla, a carta traz como palavras-chaves Regalo (“Presente”) e Pietre Preziose (“Pedra Preciosa”), duas expressões da lâmina que vimos na terceira posição deste post. Curiosamente, em Presente de Pedras Preciosas encontramos  Consigli (“Conselho”) e Ostacoli (“Obstáculos”), o que deixa tudo um tanto confuso.

E não é só isso: enquanto no Zingara a Donna di Servizio tem a aparência de uma copeira, no Vera a moça está mais para florista de um filme de Chaplin, o que dá margem a interpretações diferentes.

Então vamos por partes: o termo Donna di Servizio (“Mulher de Serviço”, literalmente) se aplica a empregadas domésticas, governantas, camareiras, babás e atividades correlatas ao suporte do lar. Se aplica também a uma jovem que trabalha, logo, o título serve para as  duas ilustrações. Em qualquer situação, temos uma mulher modesta, inteligente e educada que labuta  para obter o seu sustento (realizar seus desejos).

Contudo, nos textos que abordam o La Vera Sibilla,  a condição de florista é mais vulnerável e se evidencia a necessidade de contar com a ajuda, estima e consideração de outras pessoas. A questão do gênero aqui não é importante. O fato é que nem todo dia é igual (lucrativo) e ela não oferece um item fundamental. Se o tempo piora, pode ser que ela não consiga o produto de suas vendas ou que o público desapareça de vista. São variáveis como esta que estão em pauta. O consulente, nesta condição, precisa ser dedicado, persistente, resiliente, humilde e simpático.

No Sibilla Della Zingara temos uma situação estável. Uma gratificação pequena, mas regular. Ainda assim, temos uma condição submissa e de sacrifícios. A pessoa precisa obedecer e nem sempre será permitido emitir uma opinião própria. Alguns textos destacam a vida de rotina desta criada e o quanto ela é muitas vezes ‘invisível’ dentro do seu ambiente de trabalho – ninguém a percebe ou se preocupa verdadeiramente com ela. No naipe de Paus tivemos a figura do Serviçal, que guarda algumas similaridades com a Empregada Doméstica, sendo que ele é interesseiro e dissimulado e ela é íntegra.

Acredito que, em algumas situações, se destaque a questão da ‘invisibilidade’: a empregada acaba sendo uma pessoa que sabe de tudo da vida de seus patrões porque vê e ouve muitas coisas sem ser notada. Este pode ser um conselho para o consulente se ele é identificado com a lâmina, como uma estratégia por um período – ouça/veja mais sem chamar a atenção para si. Por outro lado, a carta também pode recomendar que ele tome muito cuidado com o que fala, ‘pois as paredes têm ouvidos’.

Caímos aqui numa situação muito comum no Tarot, onde algumas pessoas interpretam de acordo com a ilustração da carta. Eu sou contra isso e sugiro que os atributos das duas imagens sejam aplicados, de acordo com a pergunta e as cartam complementares, sem stress.

 O Delirante (Il Deliranti) – 9 de Ouros

Outra carta em que a versões sugerem coisas distintas, de acordo com a percepção do autor. Isto é curioso, como veremos adiante, porque, em especial no La Vera Sibilla, a mesma imagem é interpretada de duas formas diferentes. Em comum, todos levantam a hipótese de se tratar de  jovens nas duas ilustrações. A informação pode ser traduzida de forma literal ou se referir à maturidade (na verdade, a falta dela) da pessoa indicada pelas cartas.

Claramente o título não descreve uma condição psiquiátrica, mas uma percepção distorcida da realidade, resultado de álcool, drogas ou doenças. Existe aqui, fortemente, o risco de se causar prejuízo, para si mesmo ou para outras pessoas, em função deste entorpecimento dos sentidos.

Em inglês, batizaram a carta de Pleasure Seekers (“Aqueles que buscam prazer”), o que reforça a farra e a inconsequência, mas destaca também também o grupos com interesses mútuos e os laços de amizade. Poderíamos incluir aqui, de forma neutra e de acordo com o contexto, a questão da ‘tribo’ da qual o consulente faz parte.

Em linhas gerais, estas pessoas estão seriamente em uma zona de risco porque podem entrar em confusão desnecessariamente e provocar acidentes, além da falta de lucidez para reagir de forma adequada a certos estímulos.

E apesar da abordagem coletiva até este ponto, o jogo, prioritariamente, se refere a uma pessoa do grupo, na maioria dos casos. Além de tudo o que já foi descrito, acrescento ‘mimetismo’ como possibilidade, que é uma forma polida de não dizer que se trata de alguém que muda de personalidade de acordo com suas companhias. Talvez uma pessoa sem opinião própria.  Como variação do mesmo tema, alguém que só é ‘valente’ em grupo, mas não se garante sozinho.

O que alguns autores abordam como interpretação geral da carta (porque assim enxergam as personagens) eu adotaria apenas numa posição desfavorável da carta no jogo: a imagem do La Vera Sibilla, para estes, revela uma condição de desespero. O jovem de vermelho é apoiado e/ou contido pelos amigos depois de receber uma notícia ruim. Sua atitude é exacerbada, por indignação ou cólera. A perda da razão revela algum despreparo para lidar com problemas, sim, mas não tem o tom inconsequente de bebidas e drogas. O assunto é sério, dramático. No rodapé, temos Contrarietà (“Contrariedade”) e Esaltazione (“Exaltação”) que seguem por este caminho.

O Ladrão (Il Ladro) — 10 de Ouros

Carta de roubo que pode ter um interpretação direta (roubo de bens, ideias, namorado/a) ou sutil (roubo de energia, reputação, crença). A palavra ‘roubo’, inclusive, pode ser inadequada. Entrar pela janela sem ser notado indica ‘furto’, diferente de ‘roubo’, quando a vítima se vê forçada a entregar o que lhe pertence.

Do ponto de vista adivinhatório, considere as duas possibilidade. A carta serve de alerta para o risco de assalto, por exemplo, ou para se ficar mais atento com alguém que, sorrateiramente, descapitaliza o consulente. Se o Ladrão é conhecido ou não, verifique em outras lâminas do jogo. Vale destacar que o Ladrão se diferencia do(a) Inimigo(a) porque, aqui, a questão não é pessoal – o consulente simplesmente tem algo que ele deseja para si.

Roubo, assalto, engano, fraude, traição. Para alguns, a carta é um sinal da chegada de mudanças bruscas, que levam à perdas,  independente de um agente humano – uma crise financeira do país, a necessidade inadiável de reforma na casa ou despesas médicas emergenciais podem consumir todos os recursos financeiros do consulente, por exemplo.

Importante destacar que a ilustração retrata a invasão de um espaço físico privado, logo, devemos considerar o cuidado com pessoas que se intrometem em assuntos que não lhe dizem respeito ou queiram ter acesso aos segredos e/ou à intimidade do consulente – tanto no La Vera Sibilla quanto no Zingara Della Sibilla é possível ver a ponta do armário da carta Denari, do mesmo modo que podemos considerar o ambiente como uma representação da carta Stanza .

Mensageiro (Messaggiere) — Valete de Ouros

Vimos anteriormente a carta La Lettera, que fala de notícias, convites, mensagens e documentos que chegam e, de alguma fora, promovem mudanças na vida do consulente. Muitas fontes repetem estes atributos para o Mensageiro e isso não faz sentido.

Não seria errado, de todo, supor que o foco aqui não é a mensagem, mas quem a entrega, considerando a qualidade da informação de acordo com a natureza do portador, mas, ao mesmo tempo, lembro de uma cena clássica do filme Stigmata, de 1999, e faço minhas considerações: por vezes a mensagem certa chega de formas inusitadas. De qualquer modo – e com as cartas certas complementando a leitura – não ignoro de todo esta possibilidade.


“O mensageiro não é importante”
 

Na imagem de abertura deste post, o Mensageiro assume a forma de Mercúrio, no Cartomancie Gypsy Fortune. A ilustração me deixa muito mais confortável e passa melhor a ideia de ‘intermediário’. O Mensageiro, então, é aquele que circula por diferentes grupos aprendendo, levando e trazendo informações. Também aquele que representa o consulente (ou outra pessoa junto ao consulente) em acordos e negociações.

Sem dispensar o óbvio, pode ser um informante. Dependendo da questão, o consulente é orientado a buscar outras fontes que forneçam a informação que ele necessita como suporte. Ao invés de abordar diretamente uma pessoa capaz de decidir uma questão importante, talvez valha a pena sondar quem a conheça ou conheça o enredo com detalhes que não são de domínio público para pegar algumas dicas de qual a melhor forma de tratar o assunto, por exemplo.

Mulher Casada (Donna Maritata) — Rainha de Ouros

Uma mulher brinca com uma criança, sua filha. A carta sugere harmonia, estabilidade, segurança e  proteção, além de representar a maternidade como um todo. Como mulher, cumpre o seu papel de nutrir e armazenar, com o risco de criar dependências.

No jogo de homens e mulheres, indica uma pessoa com capacidade de despertar o melhor das pessoas,  grande habilidade interpessoal e forte consciência emocional. Ela pode ser suporte em situações que ‘pedem colo’ e encorajamento.  Talvez o jogo esteja sugerindo que o consulente, independente do gênero, seja este tipo de pessoa para alguém.

Uma das fontes destaca alguém (o texto fala de mulher, mas as mulheres ficariam sem uma referência masculina entre as cartas) que não se encontra emocionalmente livre para um relacionamento com o consulente. Ela, necessariamente, não precisa ser casada – compromissos de trabalho, estudo ou com família servem de argumento.

Mercador (Mercante) — Rei de Ouros

O Mercador é um homem de negócios, um empresário, um comerciante. Talvez alguém da área financeira. Alguém que pode oferecer trabalho ou investir em um projeto do consulente. Um articulador. Alguém que sabe vender produtos, ideias e a si mesmo.  Possui senso prático, é ambicioso e busca retorno (financeiro) em todas as suas atividades. Espírito empreendedor.

O Mercante representa recursos financeiros e ocupa uma posição importante na sociedade. Provavelmente conhece vários lugares no mundo e suas peculiaridades culturais. Muito melhor contar com ele como aliado do que como opositor. No papel de conselheiro, orienta em todas as questões que envolvam dinheiro, produção, compra e venda.

É preciso ficar atento porque, a princípio, ele só é parceiro enquanto isso for vantajoso para ele. As fontes, de modo geral, o colocam como uma presença perigosa, mas só atribuiria características negativas se houvesse esta indicação na posição que ele ocupa do jogo. Pode ser, por exemplo, que ele adote ‘os fins justificam os meios’ como filosofia se for evidenciado seu lado sombra.

 

Cartas por Naipe – Check-List

Naipe de Paus
Imeneo (01), Superbia (02), Viaggio (03), L’Amica (04), Fortuna (05), Consolante Sorpresa (06), Gran Consolazione (07), Riunione (08), Allegria (09), Leggerezza (10), Domestico (11), Giovanetta (12), Dottore (13)

Naipe de Copas
La Conversazione (01), Casa (02), Belvedere (03), Amore (04), Allegrezza al Cuore (05), Denari (06), Letterato (07), Speranza (08), Fedeltà (09), Costanza (10), L’Amante (11), L’Amatrice (12), Gran Signore (13)

Naipe de Espadas
Dispiacere (01), Vecchia Signora (02), Il Vedovo (03), Ammalato (04), Morte (05), Sospiri (06), Disgrazia (07), Disperato Per Gelosia (08), Prigione (09), Militare (10), Il Nemico (11), La Nemica (12), Sacerdote (13)

Naipe de Ouros
Stanza (01), La Lettera (02), Dono di Pietre Preziose (03), Falsità (04), Malinconia (05), Il Pensiero (06), Bambino (07), Donna di Servizio (08), Il Deliranti (09), Il Ladro (10), Messaggiere (11), Donna Maritata (12), Mercante (13)

Nota: apesar de ter usado o Cartomancie Gypsy Fortune como referência em algumas cartas, o baralho não reproduz todas as lâminas do Zingara Della Sibilla.

 

Safe Creative #1310198793776

Posts Relacionados:

About Marcelo Bueno 86 Articles
Marcelo Bueno é cartomante com especialização no Tarot. Além de editor do Zephyrus Tarot, promove cursos, workshops e atendimentos com este oráculo.